postado por Yasmin Souza e categorizado como Matérias
19.04.2021

Como disse Shakespeare, alguns nascem grandes, alguns alcançam a grandeza e alguns têm a grandeza imposta a eles.

O Príncipe Philip era, em certo sentido, os três, um homem nascido na família real grega, mas negou seu direito de primogenitura; alguém que teve que trabalhar duro para conquistar seu status na vida; e um homem que acabou, ao longo de sete décadas ao lado da rainha, ganhando um lugar único na história como o consorte mais antigo de qualquer monarca.

O Duque de Edimburgo não era um homem que exigia reconhecimento de direito; ele foi lá e mereceu fez por merecer. Ele entendeu que os títulos por si só não fazem de um homem um verdadeiro príncipe. Sim, ele pode ter sido em sua pompa o duque arrojado e elegante, com sede de emoção e uma missão modernizadora; mas sempre havia substância por trás do brilho, uma determinação real de ver as coisas e provar seu valor.

No entanto, ele sempre parecia usar suas realizações com leveza. O funeral de sábado, tão comovente em sua simplicidade, exemplificou esse sentimento.

Projetado em detalhes pelo próprio duque, o evento conseguiu transmitir todos os momentos de uma grande ocasião de estado sem ser pomposo ou auto-engrandecedor. Foi tanto uma celebração do homem quanto uma homenagem à instituição – e à mulher – que ele servia.

Na morte, como na vida, o duque reconheceu sua dedicação ao dever enquanto permanecia fiel à sua própria identidade.

Essa força de caráter e clareza é cada vez mais rara nos dias de hoje, o que é uma das muitas razões pelas quais sua falta será tão sentida.

Mas a família real britânica tem sorte. Apesar de décadas de conflito conjugal, erro de julgamento e infortúnio geral, há um dentro de suas fileiras que parece pronto para assumir seu manto, outro consorte real com inteligência e visão para ver além de suas próprias necessidades imediatas e reconhecer o quadro maior: a Duquesa de Cambridge.

Aquela garota de quadril magro e rosto jovem que chamou a atenção do Príncipe William na Universidade de St Andrews 20 anos atrás, amadureceu e se tornou uma mulher sábia e capaz, uma esposa e mãe dedicada e equilibrada, um farol de estilo e elegância, um orador público talentoso – e alguém que emana uma aura de capacidade calma que parece envolver todos em seu campo de força.

Isso nunca esteve mais em evidência do que na tarde de sábado.

Chegando em Windsor, ela foi capturada olhando diretamente para a câmera, seu olhar firme e sério, seu comportamento sombrio, mas impecavelmente estiloso. Calma, confiante e controlada, conduzia-se, como sempre, com uma graça impecável.

Que a Duquesa tenha tal ato de classe não é nada de novo. Ao longo dos últimos anos, e em particular durante a pandemia, ela raramente deu um passo em falso. Ela exala a mistura certa de cordialidade e discrição, compartilhando vislumbres descuidados da vida como uma esposa real sem expor a si mesma, ou a sua família, mais do que o certo ou necessário.

Mas no funeral de sábado ela excedeu até mesmo seus próprios padrões elevados. Não era apenas sua postura e estilo, era também a maneira como ela se mostrou um farol de luz nas horas mais escuras.

Sua bondade e senso de dever brilharam em sua determinação de deixar de lado qualquer sentimento de ressentimento pessoal que ela possa ter sentido sobre o Príncipe Harry, Meghan e aquela entrevista, que a colocou sob uma luz tão negativa; fazer o que fosse melhor para seu marido, sua família e, em última instância, a nação, e suavizar o caminho para a reconciliação entre os irmãos.

Vamos encarar, ela teria todo o direito de não querer falar com Harry. Não apenas por causa do que a Duquesa de Sussex disse na entrevista de Oprah sobre ter sido Kate quem a fez chorar, e não o contrário, na preparação para o casamento dos Sussex; mas também porque a coisa toda foi profundamente perturbadora para William.

Foi William quem sentiu a dor da traição fraterna e a fúria de ser injustamente escalado para fazer parte de uma família racista e agressiva. A Duquesa de Cambridge pode facilmente ter sentido que qualquer tipo de reconciliação ou reaproximação neste estágio seria prematuro.

Mas em vez de recuar diante do desafio, ela o enfrentou de frente enquanto caminhavam após o funeral até o castelo.

Sabendo, talvez, que com as câmeras do mundo sobre eles, os irmãos estariam menos propensos a fazer um espetáculo, ela estendeu a mão da amizade a Harry e puxou-o para uma conversa.

Quaisquer que sejam seus próprios sentimentos sobre o que foi dito sobre ela na entrevista, ela os colocou de lado em prol de um bem maior: uma oportunidade de transformar o que foi uma ocasião profundamente triste em uma, talvez, tingida de esperança. E ela fez isso com um charme sem esforço e generosidade de espírito.

Quem sabe se a troca de Harry e William irá de alguma forma no sentido de começar a preencher a lacuna entre eles; mas Deus ama Kate por tentar. Por ver o panorama geral e colocar a felicidade deles acima de sua própria satisfação.

E que contraste gritante, deve-se dizer, com aquele outro consorte real, na ensolarada Santa Bárbara, sempre tão rápido em se ofender, sempre tão ansioso para ser considerado a vítima.

Bem, ela pode dizer o que quiser: a serena sinceridade do bom coração da Duquesa de Cambridge é toda a verdade que precisamos saber.

Porque Kate entende, como o Duque de Edimburgo antes dela, que ser consorte na Família Real Britânica pode ser um longo e difícil caminho a percorrer – mas se você der um passo de cada vez e se mostrar uma sábia de sanidade, você pode ser a força sobre a qual uma grande e muito amada instituição se firma.

Artigo escrito pela jornalista Sarah Vine e postado no Daily Mail.

 

relacionado
25.04.2021
relacionado
24.04.2021
relacionado
27.03.2021
relacionado
06.02.2021
comente a postagem!