'Discursos' archive



postado por Amanda Gramazio e categorizado como Discursos, Eventos, Matérias, Viagens
04.11.2021

A Duquesa de Cambridge estava com seu famoso anel de noivado quando sujou as mãos com um grupo de escoteiros durante uma visita a Glasgow na última segunda-feira, 01 de novembro. Acompanhada por seu marido, o príncipe William, no primeiro compromisso desde que chegaram à Escócia para a conferência COP26. O casal real, visitou o Alexandra Park Sports Hub em Dennistoun para se encontrar com escoteiros e aprender mais sobre a campanha #PromiseToThePlanet do grupo.

A Duquesa apareceu de bom humor durante o compromisso ao ar livre, participando de uma das atividades propostas bolas de terra cheia de sementes em um banco gramado com as crianças e marido.
Vestindo jeans preto, uma gola pólo preta, um gilet verde cáqui, seu par favorito de botas See da Chloe para conhecer os escoteiros do Cub e Beaver. A Duquesa foi voluntária anteriormente com os Escoteiros em Angelsey e era uma Brownie na infância, atualmente, ela divide a presidência da organização com o Duque de Kent. O duque e a duquesa passaram a participar de atividades que demonstram como o escotismo está ajudando a equipar os jovens com as habilidades para enfrentar as mudanças climáticas e os dois membros da realeza receberam woggles especiais como parte de sua visita.

Um de seus anfitriões foi Lewis Howe, de 12 anos, um dos 26 embaixadores da #OneStepGreener recentemente anunciados pelo governo do Reino Unido – pessoas extraordinárias e comuns que estão lutando pelas mudanças climáticas no nosso planeta. Por meio do Escotismo, Lewis está agindo de forma positiva nas questões que mais importam para ele e desafiando todas as escolas escocesas a reduzir o desperdício de alimentos usando o excedente para criar refeições para os necessitados, usando embalagens ecologicamente corretas. Eles também aprenderam como milhões de escoteiros em todo o mundo tem contribuído para a campanha #PromiseToThePlanet, aumentando a conscientização sobre as consequências das mudanças climáticas e incentivando ações individuais e coletivas para enfrentá-las.

Mais tarde no mesmo dia, Kate trocou sua roupa enlameada e o ar livre por um vestido de noite deslumbrante para comparecer à recepção do Earthshot no Cop26, também em Glasgow. Usando um vestido- paletó da marca londrina Eponine, acessórios marinhos combinando de LK Bennet e seus já conhecidos saltos do designer britânico Rupert Sanderson, a Duquesa chegou acompanhada do marido – que também vestia azul – destilaria Clydesid.

A estilista Rochelle White falou com Femail sobre a escolha de roupa de Kate no evento: ‘Kate está usando um vestido que ela nunca usou antes, é uma cor simples e marcante. O vestido foi feito sob medida para ela na Eponines. Seu vestido complementa o terno e a cor de William e ela optou por ter o cabelo para cima e joias simples e elegantes como acessório. Eu sinto que Kate optou por este look, para o foco não estar necessariamente nela e em sua roupa, mas no evento. Acho que é um vestido simples, mas a cor o destaca e acrescenta aquele toque ao look.
A cerimônia foi apresentada pelo Príncipe Charles, Camilla, Duquesa da Cornualha e Boris Johnson, Primeiro-ministro britânico, bem como membros importantes da Iniciativa de Mercados Sustentáveis, os vencedores e finalistas do primeiro Prêmio Earthshot.

“COP26 é um momento marcante para o futuro do nosso planeta – estou orgulhoso que nossos finalistas do @EarthshotPrize estarão se juntando a mim em Glasgow para mostrar ao mundo que há razão para ser otimista”.
A Rainha, Elizabeth II não pode comparecer ao evento por recomendações médicas mas, gravou um poderoso discurso que foi exibido para os presentes após ser anunciada pelo Primeiro Ministro, confira o discurso;

 

“Obrigado, Primeiro Ministro Santidade, por suas amáveis palavras de introdução. Tenho o prazer de dar as boas-vindas a todos vocês na 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima; e talvez seja apropriado que vocês tenham se reunido em Glasgow, que já foi o coração da revolução industrial, mas agora é um lugar para abordar as mudanças climáticas. É um dever que estou especialmente feliz em cumprir, visto que o impacto do meio ambiente sobre o progresso humano foi um assunto que preocupava meu falecido marido, o príncipe Philip, o duque de Edimburgo. Lembro-me bem que em 1969, ele disse em um encontro acadêmico: “Se a situação da poluição mundial não é crítica neste momento, é tão certo como tudo pode ser, que a situação se tornará cada vez mais insuportável dentro de muito pouco tempo … Se não conseguirmos enfrentar este desafio, todos os outros problemas empalidecerão em insignificância. ” É para mim motivo de grande orgulho que o papel de liderança que meu marido desempenhou ao incentivar as pessoas a proteger nosso frágil planeta, continue vivo por meio do trabalho de nosso filho mais velho Charles e de seu filho mais velho William. Eu não poderia estar mais orgulhoso deles. Na verdade, tenho obtido grande consolo e inspiração no entusiasmo implacável de pessoas de todas as idades – especialmente os jovens – em chamar a todos para fazerem a sua parte. Nos próximos dias, o mundo terá a chance de aderir ao objetivo comum de criar um futuro mais seguro e estável para nosso povo e para o planeta do qual dependemos. Nenhum de nós subestima os desafios que temos pela frente: mas a história mostra que, quando as nações se unem em uma causa comum, sempre há espaço para esperança. Trabalhando lado a lado, temos a capacidade de resolver os problemas mais difíceis e triunfar sobre as maiores adversidades. Por mais de setenta anos, tive a sorte de encontrar e conhecer muitos dos grandes líderes mundiais. E talvez eu tenha entendido um pouco sobre o que os torna especiais. Algumas vezes foi observado que o que os líderes fazem por seu povo hoje é governo e política. Mas, o que eles fazem pelas pessoas de amanhã – isso é estadista. Eu, pelo menos, espero que esta conferência seja uma daquelas raras ocasiões em que todos terão a chance de se erguer acima da política do momento e alcançar a verdadeira capacidade de estadista. É a esperança de muitos que o legado desta cúpula – escrito em livros de história ainda a serem impressos – os descreva como os líderes que não perderam a oportunidade; e que você respondeu ao chamado dessas gerações futuras. Que vocês deixem esta conferência como uma comunidade de nações com uma determinação, um desejo e um plano para abordar o impacto da mudança climática; e reconheçam que a hora das palavras agora mudou para a hora da ação. É claro que os benefícios de tais ações não estarão lá para serem desfrutados por todos nós aqui hoje: nenhum de nós viverá para sempre. Mas não estamos fazendo isso por nós mesmos, mas por nossos filhos e os filhos de nossos filhos e por aqueles que seguirão seus passos. E assim, desejo-lhe muita sorte neste importante empreendimento.

 

O quarteto real eles cumprimentaram líderes mundiais, como o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e os primeiros-ministros da Alemanha e do Canadá, Angela Merkel e Justin Trudeau. Em um momento descontraído que chegou a viralizar na internet, Kate oferece um pote com larvas mortas – que são usadas como ração para o gado – ao Duque que retorce o nariz.

A COP26 – 2021 United Nations Climate Change Conference – Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas de 2021 é conhecida por ser a maior e mais importante conferência sobre o clima do planeta. Esse ano, as conferência ocorrem de 31 de outubro até 12 de novembro. A causa ambiental e climática é de especial importância para o William, e seu pai o príncipe Charles.

 

postado por Amanda Gramazio e categorizado como Declarações, Discursos, Matérias
28.11.2020

Por quase uma década, a Duquesa de Cambridge tem pesquisado a importância dos primeiros anos da vida de uma criança, falando com especialistas e famílias em todo o Reino Unido. E agora ela revelou as descobertas de seu estudo nacional sobre o assunto. A pesquisa publicada nessa quinta – feira (27/11) segue aos resultados das “5 Big Questions” de Kate, bem como outros estudos, incluindo um sobre como as famílias foram afetadas pela pandemia COVID-19. As descobertas incluem o fato de que 70% dos pais no Reino Unido dizem que se sentem julgados pelos outros e os pais relataram um grande aumento (de 38% para 63%) na solidão durante a pandemia. A pesquisa, que foi lançada em janeiro, recebeu 527.898 respostas, das quais 435.141 eram do Reino Unido. No próximo ano, ela deve anunciar planos para ajudar a elevar a importância da primeira infância.
A Duquesa de Cambridge fez um discurso principal no The Royal Foundation’s Forum sobre o Early Years, participando do evento por meio de videoconferência. O fórum coincide com o lançamento dos resultados de sua pesquisa “5 Grandes Perguntas”, que se concentra no setor dos primeiros anos e nos menores de 5 anos, em particular. Em um comunicado à imprensa chamou a pesquisa de “um momento marcante para seu trabalho sobre a importância da primeira infância em moldar o resto de nossas vidas e resultados sociais mais amplos”. Para fazer seu discurso principal, Kate Middleton vestiu um terno rosa da Marks and Spencer. Ela vestiu o mesmo terno em março, durante uma visita à sala de controle 111 do Serviço de Ambulâncias de Londres com o Príncipe William.
Leia o discurso da Duquesa de Cambridge na íntegra:

Nos últimos nove meses, a pandemia foi um período preocupante para todos nós. Experimentamos isolamento, perdass e incertezas. Mas, em meio a essa crise, também vimos grandes atos de bondade, generosidade e empatia. A pandemia nos lembrou o quanto valorizamos viver em um mundo onde as pessoas se preocupam umas com as outras e a importância de nos sentirmos conectados com as pessoas ao nosso redor. E são essas conexões, esses relacionamentos que são fundados nos primeiros anos de nossas vidas. As pessoas costumam perguntar por que me preocupo tanto com os primeiros anos. Muitos acreditam, erroneamente, que meu interesse decorre de ter meus próprios filhos. Embora, é claro, eu me importe muito com o início de sua vida, isso acaba por encurtar o problema. A paternidade não é um pré-requisito para compreender a importância dos primeiros anos. Se esperamos que as pessoas se interessem pelos primeiros anos, apenas quando têm filhos, não só chegamos tarde demais, mas também subestimamos o enorme papel que outras pessoas podem desempenhar na formação de nossos anos mais formativos. Ao longo da última década, como muitos de vocês, conheci pessoas de todas as esferas da vida. Tenho visto que experiências como a falta de moradia, o vício e a saúde mental precária geralmente se baseiam em uma infância difícil. Mas também vi como os fatores de proteção positivos nos primeiros anos podem desempenhar um papel crítico na formação de nosso futuro. E eu me importo muito com isso. Porque a ciência mostra que os primeiros anos são mais essenciais para a saúde e felicidade futuras do que qualquer outro período de nossa vida. Porque até 40% de nossos filhos chegarão à escola com níveis de desenvolvimento abaixo do esperado; E porque o custo social da intervenção tardia foi estimado em mais de 17 bilhões de libras por ano. Os primeiros anos, portanto, não são apenas sobre como educamos nossos filhos. Na verdade, tratam de como educamos a próxima geração de adultos. Eles são sobre a sociedade em que nos tornaremos. É por isso que eu queria iniciar uma conversa com toda a sociedade para ouvir o que as pessoas em todo o Reino Unido pensam sobre os primeiros anos também. Fiquei muito emocionada ao saber que mais de meio milhão de pessoas responderam à pesquisa das “5 grandes questões”, mostrando o quanto as pessoas queriam falar sobre isso. Combinamos essas descobertas com uma pesquisa nacional e uma pesquisa sobre o lockdown da COVID. E, juntos, isso representa o maior estudo do Reino Unido sobre os primeiros anos. Essas percepções coletivas são críticas. E as perguntas que eles colocam ajudarão a orientar nosso trabalho nos próximos anos. Em primeiro lugar, se os pais estão lutando para priorizar seu próprio bem-estar, como podemos apoiá-los melhor? Em segundo lugar, o que está na raiz do motivo pelo qual os pais se sentem tão julgados? Em terceiro lugar, como podemos lidar com a solidão dos pais, que aumentou dramaticamente durante a pandemia, particularmente nas áreas mais carentes? E, finalmente, se menos de um quarto de nós compreende a importância única dos primeiros cinco anos de uma criança, o que podemos fazer para tornar isso mais conhecido? Devemos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para enfrentar essas questões e elevar a importância dos primeiros anos, para que juntos possamos construir uma sociedade mais protetora. Porque acredito que os primeiros anos devem ser iguais aos outros grandes desafios e oportunidades sociais de nosso tempo. E no próximo ano, anunciaremos planos ambiciosos para apoiar esse objetivo. Minha mensagem final é um agradecimento. Obrigado a todas as famílias, pais e responsáveis pelo importante trabalho que vocês realizam todos os dias na criação de nossos filhos. E obrigado a todos vocês que trabalham para apoiar essas famílias e seus filhos também. O que você faz exige muito trabalho, compromisso e visão. É uma coisa corajosa acreditar em um resultado – mesmo em um mundo – que pode não ser totalmente sentido por uma geração ou mais. Mas o que você faz não é pela vitória rápida – é pela grande vitória. É para uma sociedade mais feliz e saudável, bem como para crianças mais felizes e saudáveis. Somente trabalhando juntos podemos trazer mudanças duradouras para as gerações vindouras. Porque eu realmente acredito, grandes mudanças começam pequenas.

O Palácio de Kensington afirma que as cinco principais conclusões da pesquisa são:
1. As pessoas acreditam que o futuro de uma criança não é pré-determinado no nascimento. No entanto, a maioria das pessoas não entende a importância específica dos primeiros anos. Respondendo às 5 grandes perguntas, 98% das pessoas acreditam que a criação é essencial para os resultados ao longo da vida, mas apenas uma em cada quatro reconhece a importância específica dos primeiros cinco anos de vida de uma criança.
2. A realidade da vida torna difícil para os pais priorizarem seu bem-estar. 90% das pessoas vêem a saúde mental dos pais e o bem-estar como sendo essenciais para o desenvolvimento de uma criança, mas na realidade as pessoas fazem muito pouco para se priorizar. Apenas 10% dos pais mencionaram dedicar tempo para cuidar do próprio bem-estar quando questionados sobre como se prepararam para a chegada do bebê. É preocupante que mais de um terço de todos os pais (37%) espere que a pandemia COVID-19 tenha um impacto negativo em seu bem-estar mental a longo prazo.
3. Sentir-se julgado por outras pessoas pode piorar uma situação ruim. Setenta por cento dos pais se sentem julgados por outras pessoas e, entre esses pais, quase a metade acha que isso afeta negativamente sua saúde mental.
4. Pessoas foram separadas de familiares e amigos durante a pandemia e, ao mesmo tempo, a solidão dos pais aumentou dramaticamente. Perturbadoramente, as pessoas também estão menos dispostas a buscar ajuda para saber como estão se sentindo. A solidão dos pais aumentou dramaticamente durante a pandemia de 38% antes para 63%, pois os pais foram separados dos amigos e da família. O aumento da solidão dos pais é mais evidente nas áreas mais carentes. Esses pais têm duas vezes mais probabilidade do que aqueles que vivem nas áreas menos carentes de dizer que se sentem solitários com frequência ou sempre (13% em comparação com 5%). Somando-se a isso, parece que houve um aumento na proporção de pais que se sentem desconfortáveis em buscar ajuda para saber como estão se sentindo, de 18% antes da pandemia para 34% durante ela.
5. Durante a pandemia de COVID-19, o apoio das comunidades locais aumentou substancialmente para muitos – mas não para todos. Em todo o Reino Unido, as comunidades se uniram poderosamente para enfrentar o desafio de tempos sem precedentes. 40% dos pais acham que o apoio da comunidade cresceu. No entanto, os pais nas áreas mais carentes têm menos probabilidade de ter experimentado esse aumento de apoio (33%) do que em outros lugares.

postado por Carolina Moreira e categorizado como Discursos, Eventos
29.03.2017

Duquesa de Cambridge fez um discurso sobre maternidade no lançamento da série de filmes Out of the Blue na Royal College of Obstetricians and Gynaecologists na terça, 23 de março. Os filmes foram criados pela Best Beginnings, uma instituição parceira da campanha Heads Together. Veja as fotos e o vídeo legendado do discurso de Kate: