Autor: Carolina M.

Kate e William se encontram com soldados antes do funeral da Rainha

O Príncipe e a Princesa de Gales se encontraram na tarde de hoje (16) com soldados que participarão do funeral de Estado da Rainha.

Eles chegaram ao Centro de Treinamento do Exército (ATC) de Pirbright, em Surrey, para conhecer as tropas da Commonwealth.

William usava um terno azul adornado com suas medalhas militares, enquanto Kate estava incrivelmente elegante em um sobretudo preto, finalizado com um chapéu combinando.

O Príncipe e a Princesa estão usando a visita para falar com soldados da Austrália, Canadá e Nova Zelândia que irão participar do evento histórico de segunda-feira.

Conversando com tropas da Austrália, William foi ouvido dizendo que a diferença entre as comemorações do jubileu em junho e os preparativos do funeral mostram “os altos e baixos de tudo”.

Os ensaios para a cerimônia aconteceram no início do dia e continuaram mesmo depois que o casal real chegou ao local.

O Centro Pirbright está atuando como uma área de espera para o exército fora de Londres, onde as tropas podem treinar, comer e dormir antes de irem para a capital para fornecer ‘apoio cerimonial’ ao funeral.

O centro abriga 750 militares da Defesa do Reino Unido e das Forças de Defesa do Reino da Commonwealth e já foi usado para soldados envolvidos no funeral do Duque de Edimburgo e no Jubileu de Platina de Sua Majestade.

Enquanto isso, o Rei Charles III expressou “imensa gratidão” por seu tempo servindo como Príncipe de Gales, ao dizer ao galês Senedd que seu filho compartilhava seu amor pelo país.

“Diolch o galon”, disse o Rei Charles a Senedd, que significa “obrigado do fundo do meu coração” em galês, ecoando as palavras usadas por Elizabeth II durante sua última viagem ao País de Gales em 2021.

Publicado por: Carolina M.

William e Kate viajam para ver as homenagens à Rainha em Sandrigham

Marcando uma semana desde o falecimento da Rainha Elizabeth, o Príncipe e a Princesa de Gales viajaram nesta quinta-feira (15) até a propriedade de Sandrigham, em Norfolk. O casal possui uma casa de campo, Anmer Hall, na propriedade e costuma passar fins de semana e férias por lá. Por esse motivo, foi tão significativo que o Príncipe e a Princesa fossem escolhidos para representar a Família Real ao examinar as homenagens e conversar com os moradores locais.

De acordo com a correspondente real Roya Nikkhah do The Times, foi lá que a mãe de três filhos deu uma atualização sobre como o Príncipe George, de nove anos, a Princesa Charlotte, de sete, e o Príncipe Louis, de três, estavam lidando com a situação.

A nova Princesa de Gales falou com uma simpatizante hoje sobre como seus filhos estão lidando desde a perda de sua avó na semana passada em Balmoral. “Minha filha perguntou a ela como as crianças estavam, e Kate agradeceu e disse que sim, elas estavam bem e estavam sendo cuidados na escola, então foi uma boa troca.”

A Princesa ainda revelou que George ‘entende a perda’ de sua bisavó, enquanto seus irmãos mais novos, Charlotte e Louis, ‘menos’.

O casal real foi visto olhando cuidadosamente para um mar de tributos florais em Sandringham hoje, enquanto o Príncipe apontava para cartões e objetos individuais.

Tem sido um período movimentado para a realeza. Kate, recentemente mudou-se com sua família para uma nova casa em Windsor e levou seus filhos para o primeiro dia de aula na semana passada.

Ontem, ela apoiou o marido e outros membros da realeza enquanto prestavam homenagem à rainha no cortejo fúnebre pelo centro de Londres.

William e Kate conversaram com Jane Wells, de 54 anos, de Lincolnshire, que relatou: “Ele disse como foi difícil ontem e como isso o lembrou do funeral de sua mãe… Catherine disse que tem sido um momento tão difícil para todos eles, para toda a família”.

Outra mulher da multidão disse ao emocionado príncipe que ela estava à beira das lágrimas, ao que ele respondeu: “Não chore agora, você vai começar começar [também]”.

Catherine se emocionou enquanto levava uma estudante para colocar suas flores no mar de homenagens.

William teve que colocar uma mão firme em seu ombro enquanto a princesa emocionada continuava conversando com as famílias enquanto os carros reais chegavam.

Um espectador preocupado disse a Catherine que ela parecia cansada, ao que a princesa respondeu: “Estamos todos muito cansados, mas a multidão e o apoio das pessoas nos mantém em movimento”.

Algumas pessoas entregaram flores à Princesa de Gales enquanto ela cumprimentava os enlutados ao lado de William, com o casal parando para conversar longamente com o público.

A aparição marca o primeiro compromisso solo da dupla sob seus novos títulos.

Confira +200 fotos em HQ na galeria:

Publicado por: Carolina M.

Reconciliação para os Gales e os Sussex?

Esta matéria foi escrita pelo jornalista Richard Kay do Daily Mail.

Só por um momento foi como voltar no tempo. William e Harry, lado a lado com suas esposas, irradiando o tipo de boa vontade que todos nós uma vez tínhamos como certo.

Era quase como se aquele vínculo fraternal de afeto, que esteve tão catastroficamente ausente nos últimos dois anos, tivesse, de alguma forma, retornado magicamente.

Claro que era estranho e às vezes os dois pareciam tensos, com Harry especialmente hesitante enquanto eles honravam a memória de sua avó cumprimentando os simpatizantes e vendo as flores do lado de fora dos portões do Castelo de Windsor na tarde de sábado (10).

Por tantos anos, sua confiança mútua foi uma parte duradoura e cativante da história real, mas essa confiança e dependência comum, forjadas a partir da trágica perda de sua mãe no início da adolescência, desapareceram após a amarga separação de Harry e Meghan da Família Real.

No lugar daquela bonomia outrora familiar, houve silêncio, ressentimento e raiva. Nada parecia poder curar a fenda; nem as súplicas de familiares e amigos e nem mesmo a paternidade, uma paixão compartilhada por ambos – até essa inesperada reunião pública no fim de semana.

Por 45 minutos, os dois casais se moveram entre a multidão, apertando as mãos, aceitando condolências e flores que colocaram na pilha crescente de homenagens enquanto agradeciam o público por suas gentilezas.

Foi, é claro, um eco poderoso de imagens semelhantes de um quarto de século atrás, quando, após a morte da Princesa Diana, os irmãos cumprimentaram os enlutados do lado de fora do Palácio de Kensington.

Mesmo no final da caminhada, a sensação de união persistiu. Todos os quatro entraram no mesmo carro e, com William no comando ao volante, seguiram pela Long Walk em direção a Frogmore Cottage, a casa de seu irmão e cunhada no Reino Unido.

A questão na noite passada era se esse raro momento de união promete algo mais do que mero simbolismo. É realmente uma reconciliação ou foi simplesmente uma trégua?

Certamente sua importância para a vitalidade de longo prazo da monarquia não pode ser subestimada. As fotos do novo Príncipe e da Princesa de Gales e do Duque e da Duquesa de Sussex conseguiram ofuscar a proclamação do Rei Charles como o novo monarca, um lembrete, caso ele precisasse, da qualidade de estrela de seus filhos e suas esposas.

A iniciativa foi do Príncipe William, mas exigiu que Harry concordasse. E isso por si só é certamente um avanço. Ambos são teimosos e ambos culparam o outro pelo distanciamento.

Que isso tenha acontecido é ainda mais notável, considerando a aparente marginalização de Harry nos eventos que se desenrolaram nas horas antes e depois da morte da rainha na quinta-feira (8).

Quando William voou para a Escócia, ele foi acompanhado por seus tios Andrew e Edward. A ausência de Harry permanece inexplicável, mas os rumores são abundantes.

Alguns relatos sugeriram que ele insistiu que Meghan o acompanhasse até que lhe foi dito que Kate não estaria lá apoiando o marido.

O resultado foi que, em vez disso, Harry viajou sozinho em seu próprio avião fretado e não chegou a Balmoral até várias horas após a morte de sua avó. Mas então, em vez de se juntar ao pai e ao irmão que estavam na casa de Charles em Birkhall, ele permaneceu no Castelo de Balmoral, onde o Duque de York e o Conde de Wessex se juntaram à irmã, a Princesa Anne.

“Dois jantares foram oferecidos na propriedade real naquela noite e houve uma divisão clara: um era para o novo rei e seu herdeiro, o outro era para o resto da família”, disse uma fonte.

No sábado, os eventos haviam se movido rapidamente: o rei Charles III havia sido empossado como monarca e, na Escócia, Anne, Andrew, Edward e seus filhos estavam agradecendo aos enlutados que se reuniram para prestar suas homenagens em Balmoral.

Enquanto isso, havia expectativa de que William e Kate desempenhariam uma função semelhante em Windsor. Entende-se que em algum momento naquele dia William, que já havia levantado a ideia com seu irmão de que eles pudessem ver as flores juntos, enviou uma mensagem para Harry com um horário proposto – uma mensagem que Harry reconheceu.

De acordo com uma fonte: “Aconteceu muito rapidamente, realmente notável, considerando que eles não se viram na Escócia.”

O gesto foi certamente decisivo. Uma coisa que aprendemos é que não foi feito sob a direção de seu pai, como estava sendo amplamente divulgado no fim de semana. Uma fonte real disse que tais sugestões “absolutamente não são o caso”. Tampouco é verdade que William agiu apenas depois de saber que Harry estaria em sua própria caminhada entre a multidão, com uma equipe de TV completa. ‘Completamente mentira’, disse uma fonte.

No entanto, a caminhada foi originalmente planejada para as 16h30, mas foi adiada por 45 minutos, pois os irmãos se comunicavam, reforçando a natureza de última hora da oferta de paz.

Mas certamente não pode ser coincidência que em seu primeiro discurso na televisão como Soberano na sexta-feira, Charles fez questão de expressar seu amor por Harry e Meghan. Isso deve ter encorajado William em seu curso de ação.

William, entende-se, considerou que neste momento de luto nacional era necessária uma demonstração de unidade por respeito à Rainha. Como disse uma fonte: ‘Os próximos dias serão extremamente intensos e passar por eles sem distração só pode ser uma coisa boa.’

Mas era algo mais que pragmatismo? Na época do funeral do Príncipe Philip em abril do ano passado, os irmãos foram instados a tentar resolver suas diferenças. E havia esperança quando, imediatamente após o serviço, eles foram fotografados deixando lado a lado a capela de St George para retornar ao castelo.

Mas o otimismo foi mal colocado e a brecha permaneceu. Nos meses que se seguiram as coisas não melhoraram e pairando sobre o relacionamento e se ele pode ser recuperado são as próximas memórias de Harry. “William ama seu irmão, mas há essa questão de confiança”, diz uma figura.

É essa questão que decidirá se a caminhada de sábado anuncia uma mudança radical no relacionamento dos irmãos ou é apenas uma pausa temporária.

Para muitos, ver os dois trabalhando juntos mais uma vez enquanto inspecionavam os tributos florais e conversavam com a multidão será toda a prova necessária de que eles estão de fato reconciliados. Isso, é claro, é o milagre da monarquia.

Durante anos, os pais de William e Harry deram uma demonstração convincente de união em eventos nacionais muito depois de sua separação, como os que marcaram o 50º aniversário do fim da Segunda Guerra Mundial em 1995. Eles até se permitiram ser fotografados viajando juntos para assistir seus filhos em eventos escolares.

A realidade muitas vezes era que assim que quando estavam fora da vista dos fotógrafos, eles estavam em carros separados. E, portanto, os cínicos podem ser perdoados por se perguntarem se foi isso que aconteceu no Windsor Great Park no sábado, uma vez que seu Range Rover evitou as lentes longas.

Quais são então as chances de uma reconciliação? Pequenas, mas não impossíveis, de acordo com uma figura informada. ‘O problema é’, diz a fonte, ‘que eles mal se falam há dois anos e há tanto raiva quanto tristeza em ambos os lados.’

Cada um espera que o outro peça desculpas. Se a morte de sua avó continuar a ser um bálsamo de cura para esses dois príncipes em guerra, será necessário mais do que enviar mensagens de texto um para o outro para alcançar uma reaproximação adequada.

E como seria uma resolução? A publicação do livro de Harry é crucial. Ele prometeu o ‘relato definitivo’ de ‘experiências, aventuras, perdas e lições de vida’. Em um estágio tão tardio, a publicação pode ser interrompida ou ele está vinculado aos termos de um contrato restritivo?

Para William, a questão da confiança está realmente no centro do rompimento das relações com o irmão. Seu medo é que um livro que discuta quaisquer segredos íntimos de família seja um fator decisivo na reconciliação.

E os outros acordos, tão importantes para financiar o estilo de vida californiano dos Sussex e preencher sua conta de segurança? Se não houver avanço entre os irmãos, Harry e Meghan retornarão aos EUA e continuarão suas vidas e tudo o que isso implica.

Os amigos de Harry fazem questão de sugerir que o casal pode ser pragmático. Meghan, eles apontam, cancelou o próximo episódio de seu podcast Archetypes e uma aparição em um programa de bate-papo nos EUA. A dupla também desistiu de uma aparição na Assembleia Geral da ONU desta semana.

Esses gestos também poderiam ser interpretados como uma oferta de paz?

Alguns agora dizem que é possível que, com o vento contrário e a boa vontade de um novo reinado e a benevolência de seu pai, os papéis internacionais inicialmente discutidos para Harry e Meghan possam ser oferecidos novamente.

Mesmo assim, é difícil ver como Meghan, que fez tantas críticas à vida real, poderia concordar com qualquer tipo de acordo que diminuiria sua capacidade de falar como quiser. E isso, em última análise, pode tornar inútil qualquer oferta de paz.

Muito pode depender de como os Sussex se comportarão nos próximos dias. Enquanto isso, seus próprios planos são desconhecidos. Embora se espere que Harry permaneça no país até o funeral, Meghan vai? Ela já está separada dos filhos há mais de uma semana. Há sugestões de que, em vez de retornar aos EUA e depois voar de volta, sua mãe Doria pode viajar para o Reino Unido com Archie e Lilibet para que eles possam se reunir com seus pais.

Talvez devêssemos ver o exercício de sábado entre os enlutados nos portões do Castelo de Windsor como um primeiro passo e que William e Harry serão capazes de refletir que eles – e a Família Real – são melhores e mais fortes juntos do que separados.

No momento, a analogia mais próxima aos acontecimentos dos últimos dias é a dos soldados da Frente Ocidental durante a Primeira Guerra Mundial, quando fizeram seu próprio cessar-fogo com o inimigo no dia de Natal para jogar futebol. Esses soldados voltaram para suas trincheiras e continuaram as hostilidades.

Para o novo rei, tal perspectiva é preocupante. Ele pode não ter instruído seus filhos a se reunirem no sábado, mas era seu desejo fervoroso. De fato, o Daily Mail entende que ele falou com os dois durante o dia seguinte à sua proclamação.

“‘A visão dele, basicamente, é ‘resolver'”, diz um assessor. “Ele odeia qualquer tipo de confronto, mas ele vê esse período [de luto] como uma oportunidade para seus filhos.”

Publicado por: Carolina M.

Falece a Rainha Elizabeth II

Faleceu hoje (8), aos 96 anos, a Rainha Elizabeth II do Reino Unido. A monarca havia celebrado recentemente seu Jubileu de Platina, comemoração de 70 anos desde que ela havia assumido o trono, após a morte de seu pai, o Rei George VI, em 1952.

Viúva do Príncipe Philip desde abril do ano passado, a Rainha vinha enfrentando problemas de mobilidade e sendo aconselhada por médicos a reduzir o número de compromissos reais, incluindo eventos importantes, como a abertura do Parlamento. Seu último compromisso foi a nomeação da nova primeira-ministra do Reino Unido, Liz Truss, na última terça-feira (6). Por conta da saúde frágil da monarca, a primeira-ministra viajou excepcionalmente até o Castelo de Balmoral, na Escócia.

Por volta do meio-dia de hoje, no horário local do Reino Unido, o Palácio divulgou o seguinte comunicado: “Após uma avaliação mais aprofundada esta manhã, os médicos da Rainha estão preocupados com a saúde de Sua Majestade e recomendaram que ela permaneça sob supervisão médica. A Rainha continua confortável e em Balmoral.”

Pouco depois, foi revelado que todos os filhos da Rainha, assim como seu neto, o Príncipe William, haviam sido chamados até o Castelo de Balmoral. Imediatamente, a imprensa se movimentou para a frente de residências reais aguardando novas notícias.

Às 16h, uma aeronave transportando o Príncipe William, o príncipe Andrew e o Príncipe Edward e sua esposa aterrissou no Aeroporto de Aberdeen, a 45 minutos de carro do Castelo de Windsor.

Às 16h30, a Rainha Elizabeth faleceu em seu leito no Castelo de Balmoral, mas a notícia só se tornaria pública às 18h30, duas horas depois.

William e os filhos de Elizabeth chegaram ao Castelo às 17h.

Às 18h30, o Palácio emitiu o seguinte comunicado: “A Rainha morreu pacificamente em Balmoral nesta tarde. O Rei e a Rainha consorte permanecerão em Balmoral esta noite e retornarão a Londres amanhã.”

Logo depois, o Rei Charles III lançou seu primeiro comunicado:

“A morte de minha amada Mãe, Sua Majestade a Rainha, é um momento de grande tristeza para mim e todos os membros da minha família. Lamentamos profundamente o falecimento de uma querida Soberana e uma amada mãe. Eu sei que sua perda será profundamente sentida em todo o país, os reinos e a Commonwealth, e por inúmeras pessoas ao redor do mundo. Durante este período de luto e mudança, minha família e eu seremos confortados e sustentados pelo nosso conhecimento do respeito e profundo afeto que A Rainha teve tão amplamente.”

Publicado por: Carolina M.