postado por Yasmin Souza e categorizado como Eventos
17.01.2019

A Duquesa de Cambridge visitou o departamento de fantasias da Royal Opera House para aprender mais sobre o comissionamento e uso de tecidos na quarta feira (16).

Kate é uma visitante privada regular da Royal Opera House. Antes do Natal, ela levou Charlotte para ver um ensaio de O Quebra-Nozes. Em dezembro de 2017, Kate viu o balé clássico após o almoço de pré-natal da rainha. Em 2015, Kate, Carole e Pippa foram vistas desfrutando de uma refeição pré-teatro no Clos Maggiore de Covent Garden antes de uma noite na ROH.

Mais informações do The Mirror:

Kate fez uma menção especial à sua filha enquanto agradecia a um membro da equipe da ROH e contou como Charlotte, de três anos de idade, gostava da “pequena apresentação” e “estava muito interessada desde então”. Entende-se que Kate estava se referindo à sua viagem de mãe e filha à produção de The Nutcracker da Royal Ballet no Royal Opera House no ano passado.

O Palácio de Kensington disse: “A indústria têxtil e manufatureira é uma área de interesse para a Duquesa. Seu tataravô, Francis Martineau Lupton, foi o proprietário de um moinho que dirigiu a empresa de fabricação de têxteis da família, William Lupton & Company. com seus três irmãos “.

Veremos Kate explorar a área nos próximos meses com várias visitas a outros locais de artes e reuniões com especialistas do setor.

O Departamento de Figurinos é responsável por criar, reformar e manter milhares de fantasias de ópera e balé por temporada, com até 600 figurinos por produção. Até 10.000 fantasias são usadas a cada ano por artistas do Royal Ballet e da Royal Opera House.

O departamento construiu uma coleção histórica de mais de 5.000 itens, com alguns itens que datam de 1861.

Kate visitou a sala de padrões, onde ela foi mostrada o processo de criação de figurinos para uma nova produção com designers,depois ela visitou a loja de tinturaria onde os funcionários apresentaram diferentes técnicas, incluindo tingimento, pintura à mão, coloração de roupas e impressão digital, o que permite que a equipe reproduza tecidos históricos que não estão mais disponíveis.

Os figurinos no palco da Royal Opera House não precisam apenas se encaixar na visão do designer, mas também precisam ser práticos. Para o balé, isso significa permitir o livre movimento – algo que o Departamento de Trajes é muito consciente.

Catherine conheceu as dançarinas principais do Royal Ballet, Lauren Cuthbertson, Laura Morera e Vadim Muntagirov, que discutiram como vários fatores, como iluminação, interação e movimento, influenciam os designs de seus trajes.
Ela assistiu os dançarinos ensaiarem Frederick Ashton (coreógrafo fundador do Royal Ballet) “The Two Pigeons“. Depois, ela disse: “Isso foi incrível, obrigado“.
Para a visita, Catherine estava usando terno e saia por Oscar de la Renta, sapatos pretos de Rupert Sanderson, brincos Asprey e bolsa Aspinal.

Veja fotos:

relacionado
21.10.2020
relacionado
15.10.2020
relacionado
08.10.2020
relacionado
29.09.2020
comente a postagem!